top_preto
Festas, Romarias e Peregrinações

TEMA

Depois da longa e penosa jorna de caminhada até à Vila de Óbidos, todos os populares e caminhantes que de longe vêm se juntam às portas da muralha para comer, beber, jogar e comprar os víveres necessários à sua sobrevivência. Digamos que este mercado tem tudo… menos bons costumes.

Mercado Medieval de Óbidos - uma experiência na Idade Média entre as devoções e festejos das gentes, pelos caminhos da redenção ou do pecado.

bottom_medio
Mercado

ARTESÃOS E MERCADORES

O mercado é uma fabulosa amálgama de cheiros intensos que vão desde especiarias às carnes acabadas de caçar e colocadas na fogueira, uma rica paleta das cores dos panejamentos e brocados traficados a partir do oriente, do brilho dos metais bélicos ou ornamentais, envoltos pelo som de fundo da época, pontuado por pregões multilingues guardados na memória colectiva.

top_medio
Mercado

Contos Peludos e Pintelhos à La Solta

Aqui se saciavam os passantes da fome de pão, vinho e demais necessidades do corpo. As estalagens eram o local de encontro para viajantes e caminhantes, onde se dava largas aos prazeres carnais. Quisera o cavaleiro ou homem honrado uma mulher e logo as mancebas se apresentavam para as pernoitas. Mais comuns nas cidades medievais, estes espaços de descanso ganhavam outras vidas e eram amplamente aceites na sociedade como necessárias às carências.
Cerca do Castelo

Ela é que manda (teatro)
Uma mulher do povo descobre que o seu marido lhe mentiu e, em vez de estar a trabalhar no seu ofício, se encontra no meio das rameiras da Taberna. Furiosa vai tirar satisfações e arrasta o marido pelos cabelos num grande tumulto histérico. Fernando nem sabe onde se há-de meter. Pobre homem!
Segunda a Quinta-feira – 17.30 | 20.30 | 22.30 | 23.30
Sexta-feira - 17.30 | 20.30 | 22.30 | 00.30
Sábado - 15.30 | 20.30 | 22.30 | 00.30
Domingo - 15.30 | 20.30 | 21.30 | 22.30

Mercado

Acampamento da Ordem do Hospitalários

A vida na idade média, tal como hoje, era propícia ao surgimento de conflitos até dentro de uma comunidade de índole religiosa. Desde as zaragatas entre cavaleiros, bem como as fornicações pecaminosas que tanto embaraço traziam: A dualidade entre a moral e a religião fazia parte do dia a dia destes homens.
Mas nem tudo é devassidão: cabe a estes Filhos Prediletos de Deus auxiliar na doença, nas peripécias dos caminhantes peregrinos da fé, envergando a pesada espada para que a santa Igreja nunca seja beliscada na sua dignidade e supremacia.
Cerca do Castelo

top_medio
Mercado

Mesteres e Ofícios

A panóplia de profissões nesta época era enorme. A luta pela sobrevivência levava o povo a laborar de sol-a-sol, onde a fome e a escassez de víveres empurrava-os para uma condição de vida miserável…fazia-se de tudo para viver mais um dia. Não havia lugar para os preguiçosos ou mandriões. Aqueles que se desviavam da norma corriam o risco de serem severamente punidos pelos senhores feudais. A servidão era perpétua entre os descendentes do povo. Restava apenas uma minoria de ofícios que tinham privilégios diferentes do restante povo, como por exemplo, o Ferreiro. Este gozava de privilégios que lhe dava liberdade de percorrer o reino, servindo também os vários senhores feudais, nobres e o clero.
Cerca do Castelo

Marceneiro (Nelson Fonseca)
Calígrafo e Padeira (Francisco e Maria da França)
Mestre Oleiro – Construção do busto de D. Urraca (Carlos Oliveira)

bottom_medio
Mercado

Acampamento Civil e Militar

Armaram-se as tendas, afiam-se as armas, preparam-se os homens: o acampamento das hostes militares do senhor tomou lugar para defender a Vila. Eis que o senhor em devoção combate os infiéis e garante o resguardo das suas terras deste mal que se infiltra. Aqui no acampamento a vida decorre sempre em sobressalto, pois o inimigo espreita a qualquer momento. Também no acampamento se aprestam os artificies e outros que servem às necessidades
das artes da guerra, preparando e mantendo os apetrechos para os homens de armas.
Cerca do Castelo

Exposição de Armas e Armaduras (Guarda do Alcaide)

Ofícios e Treinos (Guarda do Alcaide)
Segunda a Quinta-feira - 19h00 às 24h00
Sexta-feira - 19h00 às 02h00
Sábado - 11h00 às 02h00
Domingo – 11h00 às 24h00

Workshop de Esgrima Medieval
Sábado e Domingo – 15h00 às 19h00

Demonstração de Ofícios [Armis Nostrum]
Segunda a Sexta-feira - 19h00 às 21h00
Sábado e Domingo - 12h00 às 17h00 | 19h00 às 21h00

top_medio

Romaria de São Sebastião e suas Preciosas Relíquias

No meio do frenesim de pregões que ecoam nas paredes das casas e nas tendas dos mercadores, começa-se a ouvir ao longe as súplicas do Bispo, que debaixo do seu vistoso pálio que o protege do sol abrasador de julho, vai abençoando todos os fiéis que reverentemente lhe fazem a vénia.
A peste vai grassando entre as gentes, mas todos estão firmes na crença de que dias melhores virão pela graça de Deus. O turíbulo a emanar os sagrados incensos, os Cavaleiros Hospitalários a transportar os andores com as relíquias do mártir São Sebastião, o povo a atropelar-se para nelas tocar e obter a divina providência, os bombos a marcarem o compasso, a cruz reluzente, os Padre Nossos nos lábios de todos os que passam… Este é o fervoroso povo de Deus!
Ruas de Óbidos // 18h30

bottom_medio

Nos Arrabaldes da Vergonha

A multidão assustada e silenciosa caminha fora das muralhas da Vila. Só se ouvem os gritos de sofrimento e morte. Ali, na vergonha das grutas escondidas dos arrabaldes, os homens tolhidos por maleitas escondem-se dos olhares indiscretos. Na gruta dos proscritos, perto da Porta da Vila escondem-se os gafos, maluquinhos e entravados que com os seus maltrapilhos vão pedindo esmola aos poucos que deles não fogem a correr. Já mais à frente, a rameira que se perdeu dos retos caminhos ensinados pelo seu santo paizinho, está a parir o bastardo do Alcaide, condenado a viver na triste vergonha da ilegitimidade.
Cerca do Castelo
Coveiros, gafos, larápios e outros renegados (Ofícios com História e Terras de Viri’Arte)

top_medio

Mercado da Lã

Depois da longa e penosa jorna de caminhada até à Vila de Óbidos, todos os populares e homens que vêm de longe juntavam-se às portas da muralha para comerem, beberem, jogarem e comprarem os víveres necessários para a sua sobrevivência. Digamos que este mercado tem tudo…menos bons costumes!
Os contadores de histórias exóticas do arco da velha vão causando conflitos aqui e acolá, ameaçando destruir o negócio das lãs da Dona Gertrudes. O mercado da lã desenvolve-se desde a ovelha até à curtição das peles, o aproveitamento do leite para queijos e da lã para fios de cores múltiplas.
Já os jovens, na flor da idade e da pujança física, perdem-se nos jogos e nas danças. Já se sabe que quando o álcool jorra em abundância…as situações caricatas também tendem a multiplicar-se!
Cerca do Castelo
Lavagem das lãs, Tinturaria, Cardagem, Fiandeira, Tecedeira (Ofícios com História)

bottom_medio

O Cortejo dos Penitentes

A Cruz de Cristo, triunfante e vitoriosa, segue à frente de uma multidão cabisbaixa. Todos podem ver o que acontece a quem faz pactos com o Diabo ou a quem não cumpre as sagradas escrituras. Os Padres vão recitando as bênçãos e esconjurações, trajados a negro. Jamais alguém atrever-se-á a tocar ou a olhar de frente estes penitentes!
Aqueles homens e mulheres, nossos vizinhos, familiares, conhecidos, que iam à missa, que encontrávamos no mercado, que tratavam todos os fregueses com mesinhas, afinal agiam movidos pelo pecado e não em nome de Deus.
Numa caminhada dramática, intensa e sem dúvida inesquecível, todos temos a necessidade de participar nesta expiação pública. Só assim poderá fazer efeito, livrando todos nós das pestilências que vão aniquilando, com certeza como castigo de Deus a estas pobres criaturas humanas tão imperfeitas e pecadoras. A alma poderá ser salva, mas o corpo terá de sacrificar-se.
Cerca do Castelo
Domingo a Quinta-feira: 23h15
Sexta-feira e Sábado: 00h15

top_medio

Tenda de Caça

A caça é o mata tempo de monarcas e nobres, onde a folgança se impõe aos deveres reais. Para esta arte tão querida à fidalguia, entre outras ferramentas indispensáveis encontramos as aves que caçadores e seus serviçais não dispensam para as práticas da modalidade. Corujas e falcões, mochos e urubus fazem parte da coleção que aguarda na Tenda de Caça a hora da saída para a coutada. Até lá, moços dos montes e monteiros fazem-nos voar pelos céus em treinos de preparação para que o senhor os tenha na sua melhor monta.
Cerca do Castelo
(Fazenda dos Animais)

Exposição de artefactos de Falcoaria e Caça
2a a 6a feira - 17.00 às 22.00
sábado e domingo - 11.00 às 22.00

Demonstração de voo livre
2a a 6a feira - 20.30
sábado e domingo - 16.30 | 20.30

bottom_medio

Abegoaria

Entre porcos, coelhos e cabras, gansos,ovelhas, galinhas, patos e garnisés passeia-se o cão de
guarda que nesta pequena granja põe ordem e garante a seu dono que ninguém ataca o tesouro
que o camponês guarda neste cercado. Mas poderá cada dama e nobre, cada camponês ou
pedinte aqui passar e ajudar nas lides desta quinta, que os animais são em demasia e as mãos são
parcas.
Cerca do Castelo
(Fazenda dos Animais)

2a a 6a feira – 17h00 às 21h30
Sábado e Domingo - 11h00 às 21h30

top_medio

Praça da Justica

Os conflitos e atos pecaminosos no reino eram uma constante. Cabe ao Juiz Beltrão, o Juiz de Fora
vil e cruel, fazer justiça e cumprir aquilo que lhe foi atribuído pelo próprio Rei. Num ato de
humilhação e punição, quatro penitentes serão julgados em praça pública para que os seus atos
promíscuos não sejam repetidos pelos restantes aldeões.
Cerca do Castelo
(Ofícios com História)

O julgamento (teatro)
2a a 5a feira – 18.00 | 21.00 | 22.00
6a feira- 18.00 | 21.00 | 22.00 | 23.00
Sábado 15.00 | 18.00 | 21.00 | 23.00
Domingo- 15.00 | 18.00 | 21.00 | 22.00

Translate »